Revista Melhor Pra Você
Por Karla Machado

Os dias quentes se aproximam e, mais do que depressa, o desejo de exibir uma bela silhueta começa a tomar conta da mulherada. Nas conversas de corredor, o assunto redunda à receitas mirabolantes para perder peso e ‘fazer bonito’ no verão.

Entre uma dica e outra, certamente, você já foi aconselhada a fazer – se é que já não fez – sessões de drenagem linfática. A julgar pelo que dizem por aí, esse tratamento é uma espécie de remédio para problemas como celulite e gorduras localizadas. Mas, será que o método é mesmo capaz de proporcionar essas maravilhas? Para esclarecer todas as dúvidas sobre o assunto, conversamos com a esteticista Débora Luccas e o esteticista e consultor de estética, Orlando Sanches.

Eles esclarecem que a drenagem linfática é uma técnica de massagem que estimula o sistema linfático a trabalhar em um ritmo mais acelerado, mobilizando a linfa até os gânglios linfáticos. “A função da drenagem é, através de manobras, auxiliar a linfa a eliminar toxinas, líquidos retidos e desintoxicar”, elucida Débora. Geralmente, as partes periféricas do corpo, como braços, pernas e pés, são as que mais necessitam de cuidados, pois acumulam muitos líquidos. Confira:

O que é a linfa?
“É um líquido intersticial (entre as células) que apresenta uma composição semelhante à do plasma sanguíneo e é constituída de proteínas, uréia, linfócitos e sais minerais”, explica a esteticista. Segundo ela, a linfa é responsável por levar as toxinas para os órgãos excretores, além de transmitir oxigênio, substâncias nutritivas e hormônios para os tecidos.

Qual é a maneira correta de se realizar a drenagem linfática?
Ao contrário do que muitos devem imaginar, a massagem não deve ser feita com cremes, pois a sensibilidade tátil é usada ao extremo. Além disso, os movimentos são bastante lentos, suaves e nunca devem causar dor. “A seqüência de movimentos respeita o funcionamento do sistema linfático”, sustenta Sanches.

Quais são os principais benefícios da drenagem linfática?
Por facilitar o escoamento dos líquidos gerados entre as células, o tratamento elimina toxinas, ativa o sistema imunológico e é eficaz, também, como analgésico, aliviando inchaço e edemas provenientes da cirurgia plástica. É indicada em casos de inchaço pré-menstrual, inchaço traumático – como uma batida ou uma cirurgia -, pós-peelings, tratamentos de acne, de celulite, de varizes etc. “Vale lembrar que a drenagem não cura nenhum dos casos citados, ela é apenas um coadjuvante nos tratamentos”, alerta o consultor.

Ela ajuda a reduzir medidas?
Atenção! Se o excesso de medidas for causado por um inchaço, certamente haverá uma redução. Porém, se não for inchaço e sim um acúmulo de gorduras, a drenagem não promoverá nenhuma melhora.

Contribui para a diminuição da celulite?
Correto! Aliás, corretíssimo! A origem dos incômodos furinhos está na retenção líquida. Portanto, a drenagem pode colaborar, mas não deve ser lembrada como um tratamento que elimina a celulite. “Nenhum tratamento, até hoje, conseguiu eliminar a celulite por completo, mas sim reduzi-la até o grau 1”, lembra Sanches.

E quanto à flacidez?
Segundo os dois especialistas consultados, a técnica não promove nenhum benefício em prol da flacidez.

Quantas sessões são necessárias para obter algum resultado?
A quantidade de sessões pode variar de acordo com o tratamento proposto. Mas, em geral, faz-se um pacote com dez sessões.

Quem não deve se submeter ao tratamento?
– Pacientes hipotensos (pressão baixa)
– Pacientes com problemas cardíacos
– Pacientes com câncer diagnosticado e não tratado
– Pacientes com deficiência renal importante
– Pacientes restringidos por ordem médica

Preços
Os valores variam de R$90 a R$140 por sessão. O pacote fechado, contudo, acaba sendo mais vantajoso.